de notebook de US$ 100 a 2B1

6 setembro 2006

Você já deve ter percebido que jornalista é uma raça eufórica.

Nicholas Negroponte, o excêntrico norte-americano que imaginou que o futuro da escola é a distribuição de notebooks a alunos de países em desenvolvimento, veio a público na última semana para esclarecer o cronograma do programa One Laptop per Child.

Testes começarão na Tailandia na semana que vem? Balela. A AMD vai descontinuar o Geode e colocar em risco o projeto (notícia divulgada por um site de TI que você conhece e, após ser questionada, apagada)? Bobagem. Pittsburgh não está preparada para um ataque zumbi? Ok, isto é beeem verdade.

Na real, o fundador e presidente do projeto que pretende distribuir notebooks de US$ 100 aos estudantes quis deixar bem claro que não há nada concreto até agora por um simples motivo: a organização OLPC não tem ainda um produto final.

Na última semana, o grupo divulgou dados que aproximam o notebook educacional, agora chamado de B21, à sua versão final.

O simpático aparelho, possivelmente disponível nas possíveis 21 combinações de cores, já tem tela que não consome tanta bateria e funciona em ambientes muuuuito claros (imagine uma criança digitando ao meio-dia em um país africano. Difícil, né?), motivo de orgulho entre os representantes do projeto, segundo fontes dentro do SLI, da USP.

Uma câmera VGA integrada à moldura do aparelho (alguém aí lembra do MacBook Pro?) permitirá comunicação por vídeo, assim como o WiMesh permitirá ligações por VoIP.

Entre outras modificações que deverão “chocar” a opinião pública é a supressão da tecla Caps Lock – condenada por um simpático movimento liderado por Pieter Hintjen e noticiado pela Wired.

É este o protótipo que escolas paulistanas deverão receber a partir de novembro, em projeto coordenado pelo Ministério da Educação, como teste para a ação efetiva dos notebooks dentro da sala de aula.

(Alô, Intel, cadê o bendito e tão prometido ClassMate?)

A data estipulada tanto pelo MEC como pela assessoria especial da presidência da República para a introdução oficial dos primeiros B21 é o começo de 2007, com negociações rolando de Israel ao Nepal.

3 Responses to “de notebook de US$ 100 a 2B1”

  1. Renata Says:

    Parafraseando a nova namorada de Ronaldo, o Fenômeno, em “entrevista” a um dos principais sites (e um dos mais bem feitos) de celebridades do País: “Ai, esse assunto me dá uma preguiiiça”…

  2. henrique Says:

    Tio Craig Barrett vem aí, lalalalalalá…


  3. […] Depois de um longo e tenebroso inverno sem notícias, o ClassMate PC, notebook educacional desenvolvido pela Intel na onda do 2B1, da OLPC, mandou novos sinais de vida. […]


Deixe uma resposta

Preencha os seus dados abaixo ou clique em um ícone para log in:

Logotipo do WordPress.com

Você está comentando utilizando sua conta WordPress.com. Sair / Alterar )

Imagem do Twitter

Você está comentando utilizando sua conta Twitter. Sair / Alterar )

Foto do Facebook

Você está comentando utilizando sua conta Facebook. Sair / Alterar )

Foto do Google+

Você está comentando utilizando sua conta Google+. Sair / Alterar )

Conectando a %s

  • leituras por aí

  • Creative Commons License
    Esta obra está licenciada sob uma Licença Creative Commons.
  • Glog








  • o IDG Now! no seu blog

       IDG Now!

    var acc1 = new Spry.Widget.Accordion("Acc1",{ useFixedPanelHeights: false });
  • popularidade

  • Blog Stats

  • RSS Twitter

  • %d blogueiros gostam disto: