a Web 2.0 SOA para evoluir

22 novembro 2006

Pra atualizar o teu passaporte, a Polícia Federal oferece online um formulário que qualquer um interessado em viajar complete com dados pessoais.

Entre número do passaporte anterior, nome, CPF e certidões de nascimento e dispensa militar, são 46 campos a ser completados – fora o trabalho de ir até o prédio físico  pra entregar a papelada, transformada de bits em átomos.

Porra, Guilherme, mas fazer passaporte pela internet não é novidade nenhuma. Vamos com calma.

A Web 2.0 dá ao usuário ferramentas que ou facilitam a expressão por meio de blogs, fotos de álbum e publicação de vídeos ou mapeiam comportamentos e gostos pessoais sem muito esforço do usuário.

O preenchimento de um passaporte se encaixa no primeiro. O apaixonante Last.Fm e o Del.icio.us são ótimos exemplos do segundo. A diferença substancial entre os dois modelos estão no destinatário dos dados.

A Polícia Federal tem seu nome, seu endereço e sabe se você já foi acusado de um crime – politicamente, é necessário em qualquer estado centralizar os cidadãos. Já o Last.Fm guarda pra si os dados.

Agora imagine diversos serviços de Web 2.0 com informações pessoais sobre seus hábitos e preferências integrando todos estes dados, numa espécie de SOA da Web 2.0.
Na firrrma, são várias as siglas que definem ferramentas que controlam informações próprias da empresa, da preferência dos seus clientes e de como atender  melhor à demanda, como ERP, EIM e CRM.

O SOA bate todas estas informações  pra criar padrões que uma empresa posso oferecer serviços mais precisos e pontuais para os clientes – vai na onda da Moreira que tu entende tudo direitinho.

Tá, mas que porra isto tem a ver comigo? As músicas que você ouve, os sites que visita, seu gosto para filmes, os links que mais freqüenta, as fotos que mais publica…

Todos estes dados já são conhecidos por empresas online se você é entusiasta da Web 2.0. O SOA da Web 2.0 acontecerá quando todos estes dados forem batidos e aprederem um padrão único seu que possibilite filtros online com a sua necessidade.

Não entendeu ainda? Tuas pegadas podem ensinar a internet a pensar. Aí a gente chega na idéia (beeem primitiva) da web semântica ou, no que já está sendo chamado por aí, da Web 3.0.

A Web 3.0, tema de ótima matéria do NYTimes, seria o exercício de todos estes dados coletados sobre você na febre da Web 2.0. Considerar a Web 2.0 é um erro então? Talvez, se for pensado como fenômeno singular.

Deixe uma resposta

Preencha os seus dados abaixo ou clique em um ícone para log in:

Logotipo do WordPress.com

Você está comentando utilizando sua conta WordPress.com. Sair / Alterar )

Imagem do Twitter

Você está comentando utilizando sua conta Twitter. Sair / Alterar )

Foto do Facebook

Você está comentando utilizando sua conta Facebook. Sair / Alterar )

Foto do Google+

Você está comentando utilizando sua conta Google+. Sair / Alterar )

Conectando a %s

  • leituras por aí

  • Creative Commons License
    Esta obra está licenciada sob uma Licença Creative Commons.
  • Glog








  • o IDG Now! no seu blog

       IDG Now!

    var acc1 = new Spry.Widget.Accordion("Acc1",{ useFixedPanelHeights: false });
  • popularidade

  • Blog Stats

  • RSS Twitter

  • %d blogueiros gostam disto: