o peer-content chega à grande mídia nacional

11 março 2007

O Peer-Content (ou user-generated content), designação para o conteúdo feito pelo usuário cunhada pelo editor da Wired e formulador da teoria da Cauda Longa, Chris Anderson, finalmente chegou à grande mídia brasileira.

A estréia aconteceu no Fantástico do último domingo (04/03) com uma matéria jornalisticamente ousada que explicava a bala perdida em Moema que deixou a estudante Priscila Aprígio paraplégica no começo de março.

Se qualquer narração em off, a notícia enfileira depoimentos colhidos com colegas e parentes de Priscila, assim como seu próprio desabafo após a apuração que lhe tirou a bala da coluna, com cenas feitas por usuários que presenciaram o tiroteio.

As cenas chocam de tão brutais: Priscila está caída no chão, com a blusa branca empapada de sangue bem no centro das costas pelo tiro que levou – o que levou telespectadores a questionar os métodos da Globo.

Ok, ok. O desabamento do metrô já havia explorado o artifício, com o vídeo do caminhão caindo na cratera, feita por um funcionário do prédio da Abril, reproduzido exaustivamente em programas jornalísticos.

O vídeo, porém, não era a essência da matéria – acrescentava uma cena importante, sim, mas não essencial.

Aparentando terem vindo de diferentes usuários, os vídeos mostram Bruna caída sozinha e, momentos depois, policiais conversando com a menina.

O uso de conteúdo presenciado por usuários não é novidade na grande imprensa – basta lembrar o vídeo que registra o tiro levado por Kennedy ou a única foto feita da queda do Concorde, em 2000.

A popularidade de gadgets (celulares, principalmente) capazes de filmar e fotografar, porém, tornam a inscidência deste conteúdo imensamente maior, a ponto de permitir registros mais freqüentes do que a mera sorte de ter uma câmera em mãos no momento ideal.

Diversos sites brasileiros já exploram o fenômeno – o Estadão tem o seu FotoRepórter, o Terra tem o vcRepórter, enquanto iG e G1 pedem colaborações eventuais, sem qualquer programa fechado (sentiu falta da Folha ou do UOL?).

Num excelente artigo para a Slate, Michael Agger enumera todas as conseqüências – principalmente, maléficas – do fenômeno.

Deixe uma resposta

Preencha os seus dados abaixo ou clique em um ícone para log in:

Logotipo do WordPress.com

Você está comentando utilizando sua conta WordPress.com. Sair / Alterar )

Imagem do Twitter

Você está comentando utilizando sua conta Twitter. Sair / Alterar )

Foto do Facebook

Você está comentando utilizando sua conta Facebook. Sair / Alterar )

Foto do Google+

Você está comentando utilizando sua conta Google+. Sair / Alterar )

Conectando a %s

  • leituras por aí

  • Creative Commons License
    Esta obra está licenciada sob uma Licença Creative Commons.
  • Glog








  • o IDG Now! no seu blog

       IDG Now!

    var acc1 = new Spry.Widget.Accordion("Acc1",{ useFixedPanelHeights: false });
  • popularidade

  • Blog Stats

  • RSS Twitter

  • %d blogueiros gostam disto: