o facebook resiste e queima lenha

26 setembro 2007

Começaram novos boatos sobre a venda do Facebook. Não são os primeiros nem os segundos. A Microsoft vai pagar US$ 500 milhões pra ter 5% da rede social, o que, numa simples regra de três, coloca o valor comercial da rede perto dos US$ 10 bilhões (!!!).

(Uma pequena comparação. Achou muito? É apenas um terço do que a Exxon Mobile lucrou em 2006).

A cifra é nada menos do que dez vezes o avaliado em abril de 2006, num crescimento de valor de mercado de deixar qualquer um com seqüelas da bolha arrepiados.

Cogita-se que a estratégia da Microsoft é monetizar o conteúdo do Facebook com sua plataforma de publicidade, uma ContentAds potencializada pela compra da aQuantive, assim como a Microsoft já faz com o Digg e o Google vem fazendo com seu AdSense no MySpace, ex-queridinho das redes sociais.

E o Google? Diz o Wall Street Journal que o buscador também tem interesse em participação no Facebook o que, dada a conturbada compra da DoubleClick, que está sendo questionada pela Microsoft até agora, pode dar em briga entre ambas de novo.

A participação no Facebook resvala no temor do Google pelo crescimento da rede, segundo revela Michael Arrington, o que levará a dupla Brin e Page a anunciar uma rede social em novembro mais aberta que o Facebook, o que poderá deixar o Orkut ainda mais parecido com a rede pop.

São muitos os motivos para a explosão do Facebook, mas o mais evidente tem relação com um termo técnico chamado “crowdsourcing” – se você prefere ser entendido, basta dizer que o Facebook não apenas está colocando a comunidade pra trabalhar, mas como ela está gostando.

Após abrir seu API, o Facebook passou de sumo a esqueleto de rede social – com os códigos em mãos, o número de aplicativos externos explodiu e hoje a coisa mais legal do Facebook é caçar os que comparam seu gosto musical, países que esteve, conhecimento em internet e o escambau com seus amigos, num efeito “minha rede dentro de toda a rede”.

Nem um pouco bobo, o fundador Mark Zuckerberg anunciou o fbFund, fundo de US$ 10 mil para incentivar a criação dos aplicativos de terceiros.

Ironicamente, a maioria dos mashups feitos na rede hoje usam mapas do Google Maps graças à sua API, algo solenemente ignorado no Orkut, a rede social do Google solenemente ignorada lá fora.

Se não rolar uma aquisição atravessando a estratégia da Microsoft, APIs do Google (porquê o Yahoo também não libera a sua pro Mash, esta rede com potencial de fracasso?) para redes sociais.

Aliás, parece que é sina dos três abraçar redes de terceiros – nem Live Spaces nem Orkut nem 360 deram lá muito certo.

Anúncios

Deixe um comentário

Preencha os seus dados abaixo ou clique em um ícone para log in:

Logotipo do WordPress.com

Você está comentando utilizando sua conta WordPress.com. Sair / Alterar )

Imagem do Twitter

Você está comentando utilizando sua conta Twitter. Sair / Alterar )

Foto do Facebook

Você está comentando utilizando sua conta Facebook. Sair / Alterar )

Foto do Google+

Você está comentando utilizando sua conta Google+. Sair / Alterar )

Conectando a %s

  • leituras por aí

  • Creative Commons License
    Esta obra está licenciada sob uma Licença Creative Commons.
  • Glog








  • o IDG Now! no seu blog

       IDG Now!

    var acc1 = new Spry.Widget.Accordion("Acc1",{ useFixedPanelHeights: false });
  • popularidade

  • Blog Stats

  • RSS Twitter

  • %d blogueiros gostam disto: