o canal, não a loja

23 novembro 2007

apple_extra

As bancadas são em madeira clara, o painel da maçã iluminada por trás e a rede sem fio gratuita estão lá. Falta algo essencial aos espaços da Apple montados junto à cadeia de super-mercado Extra: a própria Apple.O que parece certo é que os 16 quiosques da Apple que o Extra inagurará até fevereiro de 2008 são mais uma adaptação do Grupo Pão de Açúcar ao novo mercado varejista que uma pretensão clara da Apple em popularizar seus produtos.

Em reuniões nos EUA, a Apple chegou a propor ao Grupo Pão de Açúcar que montasse a Apple Store no Brasil nos mesmos moldes das internacionais. O Grupo Pão de Açúcar escolheu não, pereferindo um stand que levasse o Extra no mesmo caminho da rede Target nos EUA – um hipermercado cada vez menos focado em alimentos.

Isto fica ainda mais claro pela evidente falta de envolvimento da Apple na inauguração do projeto – além da absoluta falta da assessoria de imprensa para um evento divulgado, o presidente da companhia no Brasil, Alex Szapiro, foi-se antes do discurso feito por um executivo do Pão de Açúcar comemorando a inauguração.

Isto não significa que a possibilidade da Apple Store esteja totalmente descartada – o acordo com o Pão de Açúcar não é de exclusividade, embora os executivos do grupo citem como prováveis novos acordos concorrentes seus, como o Carrefour, por exemplo.

Só que também caia na real, cumpadre: a Apple não vai quebrar um quarteirão na Paulista pra construir um quadrado de vidro transparecente como é sua loja em Nova York.

A Apple sempre foi abastecida de boatos (os 10 melhores são ótimos para entender a histeria que, ao envolver a Apple, cria um círculo vicioso extremamente benéfico para a empresa), e no Brasil cada nova investida da empresa vinha acompanhada de uma enxurrada de boatos sobre novos investimentos.

apple_extra1

Não tenho fontes confiáveis o suficiente sobre Apple no Brasil que consigam dar o mínimo de certeza nesta saraivada de boatos que envolvem o nome da empresa de Steve Jobs na blogosfera brasileira há semanas.

Não é segredo nenhum que o muro de proteção da Apple sobre dados internos é alto e bem guardado – por mais que tenha sofrido algumas brechinhas recentes.

A antiga assessoria da Apple no Brasil é taxativa em afirmar que, nas mais diferentes etapas da companhia por aqui em 18 anos, não conseguiu convencer Steve Jobs em embarcar para o país.

A Apple Brasil não comenta boatos. Faz bem. Se eu vou dar pitacos? Ainda não. Vou apurar algumas coisas antes disto.

Anúncios

campus party colombiano

23 novembro 2007

Depois do Brasil, que recebe a primeira edição internacional em fevereiro, o Campus Party vai à Colômbia entre os dias 16 e 22 de junho, em Bogotá.

Convidados no Brasil? Daqui a pouco.

O que é web semântica?
O Tim é melhor que eu para isto. O que ele está atrás é a habilidade de lidar com conteúdo de maneira que se chegue ao significado, e não à sintaxe. Hoje, quando fazemos buscas usamos palavras e indexamos todas as páginas a partir de palavras. Mas não sabemos o que a palavra significa, apenas que ela está nesta página.

Pode ser que você tente encontrar informações cujo significa seja expressado pelas palavras assim como por outros conteúdo. o problema é como encontrar toda informação na rede cujo significado é expressado por outros conteúdos.

A idéia de Tim é integrar o sentido ao texto da rede, na definição literal de busca semântica. Um estagiário do Google um dia me falou que hoje pessoas navegam por documentos. Queremos navegar por respostas, que são as respostas das perguntas.

Nos 60, pensaram que discurso seria entendido por uma espécie de dicionário automático no PC. Quarenta anos depois temos certa habilidade para entendimento de discurso mas para situações determinadas. Saber o número de um vôo algo muito mais fácil do que a filosofia por trás de Marcel Proust.

meia hora com vint cerf

19 novembro 2007

vint_cerf

Encontro o assessor cerca de 40 minutos antes do tempo marcado – algo excepcionalmente raro pra alguém com dificuldade de entender a divisão diária por horas. Enquanto ele tentar localiza um terceiro, ficamos sentados no saguão do luxuoso hotel na Barra da Tijuca matando tempo online – estamos em uma conferência sobre internet, nada mais natural.

O terceiro passa com um ar tranqüilo e o assessor corre para se apresentar “antes que alguém o alugue”. Ele pede vinte minutos antes de subirmos e se dirige ao elevador. Matamos mais um pouco tempo tempo esparramados no grande sofá caramelo e, às 8h50, subimos.

Estamos no sétimo andar. O sinal gratuito de internet sem fio usado por dezenas de pessoas no lobby não chega aqui. Uma norte-americano nos seus 50 anos bastante solícita pede que aguardemos. Ele não atrasará, avisa. Dez minutos depois, sai a equipe de filmagem. Nos cumprimentos com a cabeça e ela pede que nós entramos.

Estou dentro do quarto de Vint Cerf, o responsável por você estar lendo este texto agora. Cerf criou, junto a Bob Kahn, o protocolo TCP/IP que permite que cada PC tenha um IP (é, o RG digital) e se autentique em uma rede para navegar.

Entre profissionais da área e qualquer um com um certo conhecimento sobre a história da internet, Cerf é tratado como uma lenda viva.

Foi ele quem criou a base da rede que usamos hoje. Ele percorre o mundo em seminários pagos para falar a centenas de ouvintes suas idéias sobre o futuro da internet. Ele vai a festas dadas em seu nome por entidades que representam grupos de internet e telecomunicações. Ele é evangelista (e atual funcionário mais velho) do Google.

E mesmo assim, Cerf pega seu cartão sobre a mesa assim que seu acompanhante, um americano avermelhado além dos 50 anos, sai da anti-sala transformada em escritório e o estende em minha direção com as duas mãos, fazendo um cumprimento com o olhar.

Trocamos cartões, o assessor puxa uma cadeira e me instalo de frente a ele, olhando por sobre seu ombro para belas coberturas na orla da Barra da Tijuca. Como esqueci meu gravador, lhe aviso que terei que digitar toda a conversa no laptop, que fica aberto de costas para Cerf.

Ele sorri, diz que não tem problema e que tentará falar pausadamente. Pega meu cartão e cita o pesquisador responsável por desenvolver o padrão Ethernet (é bem provável que você também o use para ler isto) simultaneamente ao TCP/IP, que depois assumiu o cargo de publisher na multinacional onde trabalho.

E começa a contar histórias. Com sua barba branca bem aparado e sua fala mansa, Cerf lembra muito bem um avô sem pressa ou, melhor, pressão nenhuma para lhe contar da maneira mais detalhada possível (e sem nenhum media training também) os assuntos que ali lhe parecem mais pertinentes.

Sua amizade com Bob Metcalfe quebra a tensão e, no meio da sua digressão sobre seu papel como evangelista sênior do Google pode ajudar a molecada mais nova que trabalha ali, ele percebe que está falando demais sobre assuntos que podem não ter nada a ver com a entrevista. Ele não pode atrasar.

Pergunto sobre o papel do ICANN dentro das discussões que acontecem no Internet Governance Forum, evento organizado pela Nações Unidas no luxuosos hotel carioca que, além de Cerf, reúne a diretoria do órgão e do CGI, responsável pela internet brasileira.

NO meio de respostas faladas apressadamente, Cerf engasga e pede ao assessor um copo d´água. Toma a água, enxuga a gargante e se desculpa. Falo que não tem problema, não vou transcrever a tosse na entrevista. Ele brinca, me pergunta como se soletra COOOOOFFFFF (como se soletra uma tosse, afinal?) e a conversa segue.

Pergunto sobre a desconfiança do papel do ICANN. Ele parece incomodado e me pergunta se eu assistir a todas as palestras. Respondo que não, seria humanamente impossível. Pergunta se assisti uma só sobre o ICANN. Não, perdi. Ele pensa um pouco, respira fundo e, com um olhar incisivo, afirma que há problemas muito mais urgentes do que se pensar em um novo órgão, como o ministro Mangabeira Unger clamou na abertura do evento.

A cinco minutos do fim, o assessor avisa. Pergunto sobre web semântica. Ele parece ressabiado, fala que Tim Berners Lee sabe melhor que ele e, surpreendentemente para alguém aparentemente tão inseguro, responde devagarinho o que me pareceu a melhor definição já ouvida sobre a tendência. O tempo acaba, o assessor se levanta e Cerf parece assustado quando lembra que tem outra entrevista pela frente. Se despede cordialmente.

Na saída, cruzamos com outra equipe de filmagem. São 9h30. Sem atrasos.

*

Quase 12 horas depois, estou sentado no mesmo saguão onde meu dia começou esperando para entrevistar uma fonte de internet que, após participar de uma mesa de debate, se atrasou. Mesmo que o evento se encerre oficialmente no começo da tarde do dia seguinte, o clima geral é de descontração – para a maioria, será a última noite no Rio.

Há vários grupos espalhados pelo lobby e o apertado bar com parede acarpetadas ali do lado parece não comportar a quantidade de executivos que buscam uma cerveja. Mulheres arrumadas, homens de bermuda e pochete e até uma noiva desfilam pelo saguão.

É daí que aparece Cerf de novo. Não houve uma ocasião que não o tivesse visto no IGF que não estivesse escoltado por uma série de homens engravatados – possivelmente conhecidos ou admiradores. Ele bem apressado, passa pelo bar fazendo cumprimentos leves com a cabeça e se reúne com outros grupo maior. Já perto da porta, onde está minha poltrona, vira-se para o lado esquerdo, me vê e faz, com um sorriso tímido no rosto, um sinal de pistola com o dedo da mão direita. Até agora não entendi o que foi aquilo.

marcelo tas. a descoberta, relatada no blog do sérgio amadeu, foi do próprio tas.

mas a tal descoberta não é algo tão pontual. evidente que é dificílimo apontar o real primeiro usuário da web no brasil. sabe-se que a primeira conexão foi testemunhada por um grupo de pesquisadores, entre os quais demi getschko, o tal pai da internet brasileira.

quem garante que não havia algum civil lá? de qualquer modo, o fato do tas ter sido um dos primeiros é (outra) prova do entusiasmo do rapaz.

até mais, norman mailer

10 novembro 2007

nmailer

Norman Mailer morreu. O cara concorreu à prefeitura de Nova York, atuou em filmes e escreveu poesia, mas é foda mesmo escrevendo a prosa realista que depois chamou-se de novo jornalismo – vai ler “Os nus e os mortos”.

Em outubro, a New York publicou uma entrevista em que Mailer, ranzinza e mais conservador que nunca, justificava o apelido de “macho prince of American letters“, botando o cara próximo a um deus.

Tô falando, tô falando…

Aliás, Brasil já tem country manager. Mas o Last.FM tá procurando também manager pra Japão, Turquia e Reino Unido.

Update: galera, a história do Last.FM no Brasil já saiu no Now! em outubro. Isto aí é apenas desdobramento.

  • leituras por aí

  • Creative Commons License
    Esta obra está licenciada sob uma Licença Creative Commons.
  • Glog








  • o IDG Now! no seu blog

       IDG Now!

    var acc1 = new Spry.Widget.Accordion("Acc1",{ useFixedPanelHeights: false });
  • popularidade

  • Blog Stats

  • RSS Twitter